Início » Eletrocardiograma do zero: guia para iniciantes em cardiologia

Eletrocardiograma do zero: guia para iniciantes em cardiologia

Publicado em

No complexo mundo da medicina, o eletrocardiograma (ECG) emerge como uma ferramenta fundamental no diagnóstico e monitoramento de condições cardíacas. Com sua capacidade de registrar a atividade elétrica do coração, o ECG fornece insights preciosos sobre o ritmo cardíaco e outras potenciais anormalidades. Compreender o ECG é, portanto, crucial para estudantes de medicina e profissionais da saúde que buscam aprimorar suas habilidades em cardiologia, mas a complexidade dos traçados pode ser intimidadora à primeira vista.

Convidamos você a desvendar os mistérios do ECG com nosso guia simplificado, pensado especialmente para iniciantes em cardiologia. Ao mergulhar nas páginas seguintes, você aprenderá os conceitos básicos e a fisiologia por trás do ECG, bem como a análise de ritmos cardíacos fisiológicos e patológicos.

Inscreva-se em nossa newsletter🦉

Receba notícias sobre residência médica e revalidação de diplomas, além de materiais de estudo gratuitos e informações relevantes do mundo da Medicina.

*Ao enviar os dados você concorda com a nossa Política de Privacidade e aceita receber informações adicionais do Estratégia.

Caso queira se aprofundar no tema, não deixe de conferir a aula Eletrocardiograma para iniciantes e de visitar Estratégia MED para acessar as diversas aulas gratuitas presentes em nosso canal no Youtube. Além disso, conheça nossos cursos para uma aprendizagem aprofundada sobre esta e outras condições médicas, cobradas, em detalhes, pelas provas de residência médica.

Introdução ao Eletrocardiograma: O que é um ECG e por que é fundamental na Cardiologia

O eletrocardiograma, comumente abreviado como ECG ou EKG, é uma ferramenta diagnóstica essencial que capta e registra a atividade elétrica do coração em um gráfico. Através de um ECG, médicos e profissionais da saúde podem visualizar o ritmo cardíaco de um paciente, identificando possíveis anormalidades com precisão. Esta técnica não invasiva, que consiste na aplicação de eletrodos na superfície da pele do paciente, desvenda os segredos do coração, permitindo que arritmias, isquemias, e outras condições cardíacas sejam detectadas e tratadas adequadamente.

Mas por que exatamente o ECG é tão importante na cardiologia? A resposta reside na sensibilidade e especificidade deste exame em capturar a essência da fisiologia cardíaca. O coração é uma bomba elétrica sofisticada, onde cada batimento é precedido por eventos elétricos específicos. Tais eventos são compostos, notavelmente, pelos potenciais de ação de cada componente do sistema de condução elétrico do coração.

O ECG traduz tais eventos em um traçado, cuja interpretação permite aos médicos identificar sinais tanto de alterações cardíacas crônicas, no contexto de atendimentos ambulatoriais, como reconhecer condições graves, como infarto do miocárdio e arritmias cardíacas, cujo diagnóstico tem como um de seus pilares, o eletrocardiograma.

Essa ferramenta é vital não apenas para diagnósticos, mas também como parte de check-ups regulares, especialmente para aqueles com histórico familiar de doenças cardíacas, indivíduos com idade avançada ou pessoas expostas a fatores de risco cardiovascular, como o tabagismo, hipertensão e colesterol elevado. Entender como interpretar um ECG é, portanto, uma habilidade fundamental para qualquer médico, em particular os que atuam na área de cardiologia, emergência e clínica médica geral.

E-book Atualizações para Residência Médica → Baixe agora!

Conceitos básicos do ECG: Definição e fisiologia elétrica do coração

O eletrocardiograma (ECG) é uma ferramenta essencial na cardiologia, permitindo a avaliação precisa da atividade elétrica do coração. Este exame não invasivo capta sinais elétricos gerados pelo coração ao bater, proporcionando informações vitais sobre a saúde cardíaca. Mas para aproveitar ao máximo as informações que o ECG oferece, é crucial entender sua base: a fisiologia elétrica do coração.

A origem de toda atividade elétrica cardíaca é o nodo sinoatrial (SA), localizado no átrio direito. Considerado o “marcapasso natural” do coração, o nodo SA inicia um impulso elétrico que se propaga através dos átrios, causando sua contração. Este impulso alcança então o nodo atrioventricular (AV), situado entre os átrios e ventrículos. O nodo AV atua como uma porta que regula o tempo do sinal, garantindo que os ventrículos tenham tempo suficiente para se encher de sangue antes de se contraírem. Após uma breve pausa no nodo AV, o impulso elétrico percorre o feixe de His e as fibras de Purkinje, resultando na contração dos ventrículos.

É precisamente esta sequência de eventos elétricos que o ECG registra, convertendo-os em ondas, segmentos e intervalos visíveis no traçado. Os principais componentes do ECG incluem a onda P, que representa a despolarização atrial; o complexo QRS, que reflete a despolarização ventricular; e a onda T, indicando a repolarização ventricular. Cada um desses componentes oferece insights sobre diferentes aspectos da fisiologia cardíaca e potenciais anormalidades.

Observe, com a imagem presente no livro digital de Eletrocardiograma do Extensivo do Estratégia MED, o modo como o potencial ação de cada componente do sistema de condução cardíaco colabora para compor o traçado do ECG:

Fundamentos do Eletrocardiograma: Compreensão dos componentes: ondas, segmentos e intervalos

O eletrocardiograma (ECG) é uma ferramenta diagnóstica fundamental na cardiologia, permitindo a avaliação da atividade elétrica do coração de forma não invasiva. Neste contexto, compreender os seus componentes básicos – ondas, segmentos e intervalos – é essencial para qualquer profissional de saúde em início de carreira ou estudantes na área médica. Vamos desvendar juntos a complexidade do ECG, tornando-o mais acessível e menos intimidante.

As Derivações do ECG

O traçado do ECG é obtido a partir da colocação de eletrodos sobre locais específicos da pele do paciente. A atividade elétrica cardíaca é reconhecida por dois eletrodos distintos como vetores, que se traduzem em diferentes derivações no traçado do ECG. Graças ao posicionamento de cada eletrodo, pode-se então realizar uma interpretação tridimensional das câmaras do coração, já que são obtidas diferentes derivações que “apontam”, como “câmeras”, para diferentes câmaras cardíacas. Assim, obtém-se o traçado do ECG, composto por ondas e segmentos, detalhados a seguir.

Observe, com a imagem do livro digital de Eletrocardiograma do Extensivo do Estratégia MED, o posicionamento dos eletrodos na região anterior do tórax e nos membros, que origina as derivações do ECG:

Ondas do ECG

No coração, cada batida é iniciada por impulsos elétricos que percorrem o tecido cardíaco, causando sua contração. No ECG, estas atividades elétricas são representadas por ondas:

  • Onda P: Reflete a despolarização atrial, ou seja, o momento em que os átrios se contraem para bombear o sangue para os ventrículos. Uma onda P normal indica que o impulso começou no marcapasso natural do coração – o nodo sinusal.
  • Complexo QRS: Corresponde à despolarização ventricular, o estágio em que os ventrículos se contraem para impulsionar o sangue para o corpo e os pulmões. Este complexo é crucial para avaliar a eficiência e a rapidez da condução elétrica nos ventrículos.
  • Onda T: Representa a repolarização ventricular, ou a recuperação dos ventrículos após a contração. A forma e a orientação desta onda podem fornecer pistas importantes sobre a saúde do miocárdio.

Observe, com a imagem presente no livro digital de Eletrocardiograma do Extensivo do Estratégia MED, a associação entre cada etapa do ciclo cardíaco e seu respectivo componente no ECG:

Segmentos e Intervalos

Os segmentos e intervalos no ECG fornecem informações valiosas sobre o tempo que a atividade elétrica leva para percorrer o coração, revelando possíveis anormalidades na condução cardíaca:

  • Segmento PR: Estende-se do início da onda P até o início do complexo QRS, refletindo o tempo de condução atrioventricular (do átrio para o ventrículo). Um intervalo PR prolongado pode indicar um bloqueio atrioventricular.
  • Segmento ST: Localizado entre o fim do QRS e o início da onda T, esse segmento é essencial na identificação de isquemia miocárdica ou infarto, com elevações ou depressões indicando possíveis áreas de dano.
  • Intervalo QT: Abrange desde o início do complexo QRS até o fim da onda T, representando a duração total da sístole ventricular (despolarização e repolarização). Um intervalo QT prolongado pode ser sinal de distúrbios eletrolíticos ou de predisposição a arritmias cardíacas graves.

Prática na Interpretação dos Componentes do ECG

A prática é um pilar fundamental para aprimorar a habilidade de leitura do ECG. Identificar padrões normais e anormais nos componentes do ECG é crucial. Por exemplo, um complexo QRS alargado pode sugerir bloqueio de ramo, enquanto uma onda T invertida pode ser um marcador precoce de isquemia. Interpretar um ECG envolve avaliar cada onda, segmento e intervalo individualmente, bem como sua relação entre si, para construir uma compreensão abrangente da situação cardíaca do paciente.

Para aprofundar seus conhecimentos e prática na análise do ECG, considerem explorar os cursos preparatórios para as provas de residência médica do Estratégia MED, participar de simulados gratuitos e utilizar recursos como o banco de questões para aprimorar sua capacidade de interpretação.

Guia passo a passo para análise do ECG: Instruções para identificar ritmo, frequência cardíaca, eixo cardíaco e componentes do ECG

A interpretação de um Eletrocardiograma (ECG) pode parecer complexa à primeira vista, mas com um entendimento claro de seus componentes básicos e uma abordagem metódica, essa habilidade pode ser dominada com prática e dedicação. Este guia foi projetado para estudantes de medicina e profissionais da saúde no início de sua carreira, visando a simplificar e a desmistificar o processo de análise do ECG. Aqui, você aprenderá a identificar o ritmo, a frequência cardíaca, o eixo cardíaco e os componentes essenciais do ECG, passo a passo.

Determinação do Ritmo

O primeiro passo na análise do ECG é determinar o ritmo cardíaco. 

Um ritmo sinusal normal indica que o impulso elétrico está seguindo a trajetória esperada, começando pelo nó sinusal, passando pelos átrios, nó atrioventricular e, por fim, pelos ventrículos. Um ritmo sinusal pode ser identificado pela presença de uma onda P antes de cada complexo QRS, com um intervalo regulado.

Ritmos não sinusais, por outro lado, podem indicar arritmias, sendo cruciais sua identificação precoce. Estes podem variar desde taquicardias supraventriculares até fibrilação atrial, entre outros. A regularidade do ritmo, verificada pelo espaçamento entre os complexos QRS, fornece pistas importantes.

Eixo Cardíaco

O eixo cardíaco refere-se à direção geral do impulso elétrico do coração durante a despolarização ventricular. Basicamente, é uma maneira de verificar se a eletricidade está percorrendo o caminho correto dentro do coração. 

Um método comum para determinação do determinação do eixo elétrico baseia-se na análise das deflexões nas derivações DI e aVF: com base na positividade ou negatividade do QRS em tais derivações, podemos concluir em qual quadrante se encontra o eixo cardíaco e, assim, se este se encontra normal ou anormal. Observe:

Avaliação da Frequência Cardíaca

A frequência cardíaca normal situa-se entre 60 a 100 batimentos por minuto (bpm). Existem várias técnicas para calcular a frequência cardíaca no ECG, incluindo o método do conto de quadrados ou a regra dos 300. 

Para aplicar o método dos quadrados utilizando o registro DII longo, contaremos o número de QRSs presentes em 30 quadradões. Por que 30? Um quadradão representa 0,20 segundo. Trinta quadradões, então, representam 6 segundos. Resolvido o problema! Sabendo o número de batimentos em 6 segundos, basta multiplicar por 10 e saberemos o número de batimentos em 60 segundos – observe o exemplo presente no livro digital Eletrocardiograma do Extensivo do Estratégia Med:

Análise dos Componentes

Compreender os componentes individuais do ECG é essencial. Vamos dividir:

  • Onda P: Reflete a despolarização atrial. Anormalidades na onda P podem indicar problemas como sobrecarga atrial.
  • Complexo QRS: Indica a despolarização ventricular. Um complexo QRS alargado pode sugerir bloqueio de ramo.
  • Intervalo PR: Momento entre a despolarização atrial e ventricular. Um intervalo PR prolongado pode indicar um bloqueio atrioventricular.
  • Segmento ST e onda T: Associados à repolarização ventricular. Elevações ou depressões no segmento ST podem ser indicativos de isquemia ou infarto do miocárdio, ademais de ocorrerem em patologias como pericardite, em bloqueios de ramo, entre outras.
  • Intervalo QT: Indica a duração total da sístole elétrica do ventrículo. Um intervalo QT prolongado pode ser um risco para arritmias e se associa a algumas medicações e à hipocalcemia; um intervalo QT curto pode decorrer de quadros de hipercalcemia e do uso de digitálicos.
  • Onda T: A onda T normal é simétrica e concordante com o QRS. Onda T invertida pode decorrer de isquemia, e alterações da onda T são comuns nos distúrbios de potássio.

Conclusão

Ao longo deste artigo, abordamos os fundamentos do eletrocardiograma (ECG), um exame indispensável na avaliação da saúde cardíaca. Iniciamos com os fundamentos eletrofisiológicos do funcionamento de tal exame, entendemos o significado de cada componente de seu traçado e, por final, a sequência de passos a seguir para analisá-lo, bem como alguns exemplos de alterações comuns presentes nele.

Este guia visa a introduzir os tópicos essenciais para que você possa iniciar seus estudos sobre este exame tão essencial à prática clínica – afinal, mudanças no padrão do complexo QRS, desvios no segmento ST ou na onda T, e alterações do intervalo QT podem ser sinais de diversas condições cardíacas, como infarto do miocárdio, sobrecarga ventricular ou atrial, ou de predisposição a arritmias letais como a torsades de pointes. 

Como apontamos acima, o domínio deste tema requer o estudo de materiais adicionais e a prática constante. Para mais recursos de estudo, como cursos online e simulados gratuitos, que podem consolidar seu conhecimento em cardiologia e ECG, considere explorar cursos e simulados gratuitos do Estratégia MED. Além desses recursos, o canal do Estratégia MED no YouTube oferece conteúdos valiosos que podem ajudar na preparação para exames e no aprofundamento da sua prática médica – neste tópico específico, não deixe de conferir a aula gratuita Eletrocardiograma para Iniciantes.

Banco de Questões

Banco de Questões + Bônus Resumos Estratégicos – Anual

Estude com o maior Banco de Questões autônomo da área médica, com mais de 198 mil questões disponíveis, sendo mais de 104 mil comentadas alternativa por alternativa e mais de 68 mil resolvidas em vídeo pelos professores especialistas do Estratégia MED.
12x R$ 219,80
No Cartão de Crédito ou 10% de desconto no Boleto ou Pix à vista: R$ 2.373,84
Promoção válida até: 30/05/2024

Saiba mais

Banco de Questões + Bônus Resumos Estratégicos – Semestral

Estude com o maior Banco de Questões autônomo da área médica, com mais de 198 mil questões disponíveis, sendo mais de 104 mil comentadas alternativa por alternativa e mais de 68 mil resolvidas em vídeo pelos professores especialistas do Estratégia MED.
12x R$ 153,13
No Cartão de Crédito ou 10% de desconto no Boleto ou Pix à vista: R$ 1.653,84
Promoção válida até: 30/05/2024

Saiba mais

O que achou desse artigo?

😠😐😍
Reações gerais

Leia também:

Publicações Relacionadas

Ao continuar a usar nosso site, você concorda com a coleta, uso e divulgação de suas informações pessoais de acordo com nossa Política de Privacidade. Aceito